Da Ponta da Língua à Ponta do Pé (Fazcultura)

Project

Da Ponta da Língua à Ponta do Pé (Fazcultura)

Espetáculo “DA PONTA DA LÍNGUA À PONTA DO PÉ” volta a cartaz em 2014 na Bahia

Dirigido pela coreógrafa Cristina Castro, a montagem leva ao público jovem uma introdução à história da dança a partir de uma narrativa de comédia romântica

 

Da Ponta da Língua à Ponta do Pé é um espetáculo voltado para crianças e adolescentes, resultado de pesquisa coreográfica da diretora Cristina Castro para o Núcleo Viladança. A ideia para a realização da montagem surgiu da intenção de trazer ao público jovem uma introdução ao conhecimento sobre a Dança enquanto arte e atividade profissional. Patrocinado por O Boticário, através do FazCultura, Da Ponta da Língua à Ponta do Pé volta a cartaz neste ano para uma circulação por quatro cidades baianas, reunindo dança, teatro e música, com o objetivo de atrair o interesse do público jovem pelas Artes Cênicas.

A história, com toques que comédia romântica, é contada a partir da saga de Zé, um garoto que faz de tudo para conquistar o amor da bailarina Isadora, numa aventura que o leva a desvendar e se apaixonar pelo mundo da Dança. Com a ajuda de uma professora, ele viaja desde a Pré-História até os palcos contemporâneos, passando pelas mudanças provocadas pelo trabalho de Isadora Duncan e pelo estabelecimento da Dança como profissão, com várias áreas de atuação. No espetáculo, os dançarinos valem-se de gírias, temas e dúvidas tipicamente adolescentes para buscar aproximar e divertir o público infanto-juvenil.

Da Ponta da Língua à Ponta do Pé tem direção de Cristina Castro, que também trabalhou no texto, juntamente com João Sanches, a partir da pesquisa histórica de Lúcia Matos. A música e as canções, assinadas por Jarbas Bittencourt, mapeiam ritmos da MPB ao rap, contribuindo fortemente para o ritmo ágil da encenação e arrematando as informações trazidas no texto. A peça conta ainda com figurino e adereços de Luiz Santana, cenário de Rodrigo Frota, além de desenho de luz de Fábio Espírito Santo. O elenco é composto pelos bailarinos: Sérgio Diaz, Leandro de Oliveira, Bárbara Barbará, Janahina Santos, Lucas Valentim, Mariana Gottschalk e Ricardo Fagundes.

 

DEZ ANOS DE HISTÓRIA

O espetáculo tem o reconhecimento internacional da UNESCO, tendo sido chancelado pela IFPC/UNESCO – The International Fund for the Promotion of Culture. Ao todo, o musical já foi visto por mais cerca de 80 mil espectadores desde a sua estreia, tendo sido apresentado em diversos Estados do Brasil. Um ano após a sua criação, em 2005, alunos de 80 escolas municipais de Salvador assistiram ao espetáculo, com o total de 8.800 crianças e professores, dos quais 90% conheciam pela primeira vez as instalações de um teatro. Em 2006, o projeto promoveu a circulação por 11 cidades do interior baiano: Juazeiro, Sobradinho, Senhor do Bonfim, Filadélfia, Itiúba, Amargosa, Ubaitaba, Ubatã, Barra do Rocha, Paulo Afonso e Coronel João Sá. Nesse circuito, o projeto abriu novas frentes de formação, através das oficinas de teatro, dança, fotografia e origami, contabilizando 40 oficinas e 20 espetáculos. No ano de 2007, foram realizadas 20 apresentações em Salvador, totalizando um público de 3.000 espectadores, e ainda apresentações no interior do Estado, em Vitória da Conquista e Jequié. Em 2008, novamente em circuito pelo interior da Bahia, foi apresentado nos municípios de: Camaçari, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Nazaré das Farinhas, Mutuípe, Feira de Santana, Pintadas, Ipiaú e Gongogi.

 

RETORNO AOS PALCOS

Em 2014, Da Ponta da Língua à Ponta do Pé volta a cartaz e a parceria com as escolas públicas segue firme. Entre os meses de abril e maio, a montagem ficará em cartaz no Teatro Vila Velha, em Salvador, no Teatro do Sabor, em Camaçari, e em outras duas cidades baianas, Feira de Santana e Santo Amaro, totalizando 20 apresentações. Nos dias 22 e 23 de abril o espetáculo entra na grade do Festival Internacional Vivadança, produzido pelo Núcleo Viladança, que conta com o patrocínio da Petrobras para a manutenção das suas atividades.

 

 

Informações à imprensa:

ANA CAMILA COMUNICAÇÃO & CULTURA

Ana Camila | (71) 9148-4281 | contato@anacamila.com

Gisele Santana | (71) 9234-2581 | jornalismo.gi@gmail.com

 

SUGESTÕES DE ENTREVISTA

Cristina Castro (diretora do espetáculo e do projeto, texto do espetáculo junto com João Sanches)

Cristina Castro é gestora cultural, diretora e coreógrafa. É fundadora do Núcleo Viladança, e diretora geral e curadora artística do Festival Internacional Vivadança. Integrou por 12 anos o elenco da companhia oficial do Estado da Bahia, o BTCA – Balé do Teatro Castro Alves. Com o grupo, trabalhou com professores e coreógrafos importantes como: Carlos Moraes, Luís Arrieta, Guilherme Botelho, Oscar Arraiz e Lia Robato. Fez turnês em muitos países do mundo. Convidada como coreógrafa pelo então diretor do BTCA, Antônio Carlos Cardoso, criou o espetáculo “200 e pouco megabytes de memória”. Criou também, para a Fundação Cultural do Estado da Bahia, o  Projeto Paredes em Movimento, que hoje transita em diversos espaços culturais de Salvador, com o intuito de fortalecer intercâmbios com artistas de teatro, dança, fotografia, artes plásticas, etc. Em 1996, o diretor Márcio Meirelles a convidou para fazer a coreografia do espetáculo “Ópera de 3 Mirréis” do Bando de Teatro Olodum. Continuou o trabalho no Teatro Vila Velha com “Baila Vila”, projeto que, em parceria com duas diretoras locais, abriu espaço para artistas da Bahia apresentarem seus espetáculos em um dos palcos do Vila. A partir daí, Cristina parte para um novo desafio: estruturar, formar e criar repertório para o primeiro grupo de dança do Teatro Vila Velha – surge então o Viladança. Logo no seu primeiro ano, o Viladança foi premiado como Companhia Revelação pela Funarte, começando uma história de muitos espetáculos e circulação por diversos estados e países. Cristina criou para este grupo 11 montagens, além de projetos de fomento à Dança, como: “Viladança Convida”, “Improvilação”, “EIC”, “Oficinas Viladança” e “Formação para as Artes”.

 

Lúcia Matos (pesquisa histórica)

Jarbas Bittencourt (compositor de todas as músicas do espetáculo e do CD)

Cantor e compositor atua como músico profissional há vinte anos na área da MPB e da Trilha Sonora para Teatro e Dança. Em 1996 iniciou-se no campo da direção musical e criação de trilha sonora para espetáculos de dança e teatro. Fez, nos 13 últimos anos, trilha sonora e/ou direção musical de espetáculos como Dom Quixote, Sonho de Uma Noite de Verão, Fausto#Zero, Cabaré da Rrrrraça, Ópera dos Três Reais, Já Fui!, Fatzer e colaborou na composição e direção musical do espetáculo Supernova, ao lado do compositor português Carlos Alberto Augusto. Além destas atividades ou a par delas, dirige e atua como compositor e arranjador na Banda do Sonho, na execução de trilhas e pesquisa musical para os espetáculos dos grupos residentes e projetos do Teatro Vila Velha e de outros grupos de Salvador e do Rio de Janeiro.

Luis Augusto (ilustrador de CD e da revista do espetáculo, criador do Fala Menino)

O Fala Menino! é um projeto de literatura e quadrinhos criado por Luis Augusto, cartunista e escritor baiano, publicado em jornais e livros desde 1996 e na tv, desde 2005. Com a honestidade da perspectiva infantil, Luis Augusto fala da criança como o ser inteligente e crítico que é, capaz de discutir o comportamento adulto. E junto com o Lucas, o personagem central da turma, busca discutir o relacionamento do mundo adulto com a infância, talvez o único momento da vida em que somos quem nascemos para ser, sem tantas máscaras sociais, sem tantos preconceitos… O Fala Menino! nos conta de diferenças físicas ou sociais, de superação de limites, de inclusão, de RESPONSABILIDADE SOCIAL com a naturalidade doce e subversiva das lições que apenas a infância sabe dar.

Bárbara Barbará (personagem: Isadora)

Licenciada em dança pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, trabalhou com diversos coreógrafos como Marcelo Moacyr, Lia Robatto, Betti Grebler e Leda Muhana. Atuou em alguns grupos, como o GDC, Ballet Rural, Dance Brazil. Foi bailarina e assistente de coreografia da Jorge Silva Cia de Dança. Desde 2003, integra o Núcleo Viladança, trabalhando com a diretora e coreógrafa Cristina Castro, atuando como dançarina-intérprete-criadora e instrutora de pilates. Participou das duas edições do projeto EIC – Encontro de Investigação Coreográfica: em 2007, assinando as coreografias Um Minuto para Não Pensar e Partida e, em 2011, a coreografia De Onde pra Onde. Em 2009 e 2010, assinou assistência de coreografia de dois trabalhos premiados, de Leandro de Oliveira: Trilhas Urbanas e Dança em Quadrinhos, respectivamente. Em 2010, foi convidada a participar do Núcleo de Investigação Coreográfica dirigido por João Perene, na coreografia Desejo Fatiado e, em 2012, como assistente no espetáculo Instante Dilatado.

Leandro de Oliveira (personagem: Zé)

Licenciado em dança pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia. Participou como dançarino intérprete-criador no processo de pesquisa, montagem e temporadas dos espetáculos da diretora e coreógrafa Cristina Castro: José ULISSES da Silva, em 2002; Headhunters, em 2003; o espetáculo infanto-juvenil Da Ponta da Língua À Ponta do Pé, Aroeira – Com Quantos Nós Se Faz uma Árvore, em 2006 e Habitat, em 2008. Em 2009, estreou o espetáculo Trilhas Urbanas, como diretor e dançarino. Em 2010, dirigiu o espetáculo Dança em Quadrinhos. Em 2011, fez intercâmbio com a companhia Belga IreneK, que resultou no espetáculo Patchwork.

Luiz Santana (figurino e adereços)

Luiz Santana é figurinista, aderecista e maquiador. Tem vários trabalhos realizados nas áreas de teatro, cinema, dança e publicidade. Em cinema, trabalhou nos filmes:  Trampolim do Forte (João Mattos), Cascalho (Tuna Espinheira), O homem que não dormia (Edgard Navarro), A última estação (Márcio Curi), Eu me lembro (Edgard Navarro), Cães (Moacir Gramacho), entre outros. No teatro, fez o figurino de peças como La Ronde (Harildo Deda), Rerembelde (Gordo Neto), Todo Mundo tem Problemas Sexuais (Fernando Gomes) e da ópera Carmen (Francisco Mayrink). Na dança, trabalho em duas ocasiões com Cristina Castro: nas montagens José Ulisses da Silva e Aroeira. Luiz Santana está trabalhando num novo figurino para o espetáculo. Ele está usando como inspiração as bonecas Monster High que são a nova febre das crianças, especialmente das meninas, a nova Barbie do momento!

Author

Ana Camila

Date

7 de Maio de 2017

Tags